obrigado por sua visita........ricardo

TODOS OS TEXTOS ANTERIORES ESTÃO EM ORDEM ALFABÉTICA NO LADO DIREITO - É SÓ CLICAR

sexta-feira, 18 de abril de 2014

 
 
 
FERIADÃO
Hoje é feriado

 Sexta feira da paixão

 Sábado , a “forca” é natural

 Domingo, dia de descanso

 Segunda sendo 21 de abril é feriado nacional


 O que você está fazendo ai.......??????????srsrsrsrsrsrsrsrsrsrrsrsr

 Nos encontramos na terça


 Ricardo garopaba Blauth

quinta-feira, 17 de abril de 2014

SER JOVEM

Contando as peripécias de ser taxista Mauro de Castro já está no seu segundo livro, e com vários como eu acompanhando seus textos semanais em www.taxitramas.bom.br

Esta semana postou esta delicia num dos trechos de sua página.

” Esse livro transado, esse expositor no banco do táxi, essa fanpage no Facebook… Foi o senhor quem bolou tudo isso? / - Minha filha. / - Ela é publicitária? / ...- Melhor que isso: ela é jovem.”

Sou amigo do Mauro, conheço sua família e tem toda razão em afirmar o que disse.
Como otimista incorrigível quero reafirmar que idade física ajuda é claro, mas a idade mental é fundamental.

Septuagenário sinto o físico me pregando peças, mas a mente brincalhona dando risadas dos tropeços velho/guri.

Sempre existiu esta crença dentro de mim, mas hoje sou incansável, às vezes chato, ao afirmar que temos a idade que desejarmos ter.

Já contei em muitos textos “minha chutada no balde” em oitenta e seis o que me deixa hoje com apenas vinte e oito anos, mas cheio de “condores” normais num “velho”.

Mente liberta se torna ágil com o uso, quanto mais melhor.

O guri dentro do velho está sempre pensando e tendo idéias que tenta transformar em projetos factíveis. A maioria se tornam realidades outra estão aguardando recursos.

A jovem filha do Mauro que de modo inteligente ajudou o pai a vender seu livro criando instrumentos para isto e será sempre vencedora se não deixar morrer o criança interior que todos carregamos. Elas são incansáveis e desafiadoras.

Viva todos nós, jovens de espírito e com vontades de compartilhar.


 Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 16 de abril de 2014

 
PURGAÇÃO OU PURIFICAÇÃO


 Há poucos dias atrás, meu amigo e mestre Eduardo Penteado Lunardelli, finalizou seu comentário abaixo de uma crônica minha, veja abaixo, e usou duas palavras que intitulam esta crônica.

Sim tenho alguns leitores para o que posto diariamente no Blog e no Face, mas insisto que escrevendo catarses. Coloco em palavras tudo que vivo ou vivi para através do que assim fica registrado, eu ou outros, possam a qualquer momento, pensar a respeito, evitando erros e valorizar acertos.

Agora me dou conta que elas, as palavras, através da purgação de escrever, acabam me purificando.

Sim o que para muitos é purgação, mas que eu chamo de catarses, me proporcionam momentos melhores, cada vez mais.

Se os leitores que tenho aproveitam ou não os meus textos é algo que não me compete analisar, mas fico feliz quando vejo comentários positivos. Detesto negatividade e sempre valorizarei os “castelos que se constroem com as pedras do caminho”.

Gosto de textos curtos e que digam em poucas linhas a que vieram para evitar que a catarse ou purgação se tornem elas próprias dolorosas.

Valorizo demais o prazer, alegria e boas risadas da criança que espero nunca morra dentro de mim.

Ricardo garopaba Ricardo



 Eduardo Penteado Lunardelli....... Meu caro Ricardo Blauth, seu estilo conheço de ouvido. Fico feliz que encontre prazer em escreve-los e que tenha leitores curtindo e aproveitando sua purgação ou purificação. Forte abraço.
13 de abril às 14:07

terça-feira, 15 de abril de 2014

 
TRADUTORES AUTOMÁTICOS
 Este blog está equipado na coluna da direita,  com um link que traduz o que ali postei para inúmeros idiomas.

Outro dia por curiosidade pedi para ver como o que havia escrito era visto e lido na China.

 Vá lá e confira.

Duvido que a leitura transmita o que realmente tentei disser, mas é uma ferramenta interessante.

Acredito que no futuro as traduções automáticas serão realmente fiéis ao que o autor escreveu.

Hoje tenho minha duvidas.

Otimista que sou e vendo a rapidez com que tudo avança na computação é bem provável que isto aconteça.


Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 14 de abril de 2014

 
FIM DE SEMANA OCUPADO
Foi um fim de semana atípico.

Sozinho no meu apartamento em pleno centro histórico de Porto Alegre-RS ocupado estive com tintas e pinceis.
...
Terminei as duas da manhã de hoje, segunda feira, uma tela sem bastidor, que estou chamando de banners, a temática das mandalas.

O resultado me deixou feliz e me proporcionou uma das melhores noites dos últimos tempos, porem a foto é de um amador que aparentemente dormiu mal.......rsrsrsr

Vou colocar agora na porta do apartamento para surpreender a Lia, pois é para lá que vai mais este. Vai fazer companhia para o que já lá está, colocado ao ar livre e iluminado a noite.

As telas estão sem bastidor o que facilita seu manuseio aqui no apartamento ou no jardim da Lia onde tenho uma mesa de mosaicos à disposição.

Ficarão expostas pouco tempo por vez. Pretendo fazer uma bela coleção com a temática, explorando formas de mostrar as mandalas e brincar com cores.

Tenho já mais de quarenta de pequeno formato e agora já três com o tamanho grandes como a que terminei na madrugado.

Bom dia a todos.


 Ricardo garopaba Blauth

domingo, 13 de abril de 2014

 
OPINIÃO DO MEU MESTRE

Eduardo Lunardelli que a muito chamo, com razão e respeito de Mestre, postou hoje um crônica em que cita meu nome entre muitos.
Quem acompanha o que meus dedos digitam obedecendo a mente, já deve ter percebido que escrevo catarses.
São para mim essenciais e necessárias para dar vazão o que por vezes faz todo meu ser ficar “apertado” necessitando “gritar” vontades de compart...ir, partilhar, ter companhias.
Postando no blog e, já algum tempo o mesmo texto no FB, fico surpreso com as companhias que tenho. Estimula a vontade de vencer “nadas” que por vezes me assustam e me fazem pegar no tranco como o caminhão velho cujo dono precavido já o deixa a noite numa pequena ladeira apropriada.
Decisões de escrever textos curtos e objetivos mais das vezes tomam mais tempo que os longos.
Sorte tenho quando o estimulo para escrever surge vendo um filme, um pequeno trecho de conversa ouvida em locais os mais diversos, em conversas com amigos artistas, ou simplesmente surgidos de “nadas”.
Obrigado Mestre.

Ricardo garopaba Blauth


 O texto e o vinho

Foi lendo "Amálgama" do Rubem Fonseca que me veio a impressão de que literatura e vinho tem muita coisa em comum. Se o texto não tivesse sua assinatura, eu saberia pela forma, pelo jeitão que se tratava do Rubem Fonseca. Não que eu seja um especialista, nem em literatura, nem em vinhos, mas o sabor, o corpo, o aroma, de um determinado vinho, a gente acaba reconhecendo. Assim como o texto das crônicas dos meus amigos Ricardo Blauth, Ricardo Ramos Filho, Luis Bento, Jorge Pinheiro e Américo Picanso, Waldo Claro, Valter Ferraz só para citar os que postam, e eu leio quase que diariamente, reconheço-as como quem lê braile, na ponta dos dedos. No bom e no mau sentido. Eles todos, cada qual com seus estilos, temas, formas, e características próprias, são inconfundíveis. Fico me perguntando: será que eu também tenho um texto que se pode identificar sem rótulo?

Eduardo Lunardelli

quinta-feira, 10 de abril de 2014

 
ATOLADO NO NADA

Fácil é se perder em atividades que a nada levam senão a frustrações.

Melhor então é relaxar e nada fazendo deixar mente descansar e naturalmente deixá-la encontrar o “norte” que se procura.

 Surgirão sempre momentos onde parece ter muito a fazer e energia pouca para começar.

Caminhão velho que necessita tranco para pegar, este “auxilio” por vezes parece longe estar.

Se render por momentos e depois pegar algo leve e prazeroso parece ser solução inicial para esperar o momento em que o “tranco” necessário, do nada surja.

Funciona.

Um primeiro movimento, leve e solto levará a outro como que seguindo este mais outro e outros surgem.

Deixando tudo solto, qual isca na água, esta acabará sendo encontrada e momentos mais tarde a coisa ssim forflui.

O desenho assim foram feitos onde no inicio nem um traço reto consegui que a caneta em minhas mãos fizessem.

Deixei então que rodassem a vontade. Depois mais “solto” os pássaros que amo surgiram.

Viver pode ser assim. Não lutar contra o obvio e render graças pelos possíveis.

Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 9 de abril de 2014

MEU JEITO

Por vezes paraliso aparentemente por nada.

Sei, entretanto que nadas são apenas pedras atravancando caminhos a seguir.
Sei construir castelos com elas, mas meu jeito de agir é mais das vezes “assustador” para os que em volta estão.

Lembrei agora de uma canção que Frank Sinatra tornou famosa. “My Way” ( “meu jeito” em tradução livre).

Ser aceito como se é, principalmente se, como é “...meu jeito” de gostar de interagir, fazem toda a diferença em concretizar o que se planeja.

Nos septuagenários anos já por mim vividos aprendi que é melhor, mais das vezes, deixar passar o “tumulto travador” e com calma adiante voltar a ser como sou.

Aprendi também que ninguém tem defeitos ou virtudes. Têm isto sim, características totalmente individuais. Cada um tem as suas, totalmente diferentes e individuais, como são as nossas digitais.

Conhecer as minhas fez com que cada vez mais eu procure potencializar as que me são prazerosas e fazem bem ao “meu jeito”.

É fácil agir assim? Nem sempre sou entendido.

Então uso as “forças” pelas quais tanto oro para aceitar o que não posso mudar e silencio, reunindo “coragem” para fazer os possíveis.

A “sabedoria” que finaliza a oração super conhecida, vai em mim crescendo a cada momento novo e então mais tranqüilo sigo em frente do “meu jeito”.

Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 8 de abril de 2014

 
UM DIA DE CALOR
 
na sala de jantar / transformada em atelier / senti impulso de criar / tela preta foi rasgada / no tamanho desejado / formando um bandô / estreito e alto / que comecei a riscar

detalhes de mandalas vão surgindo / uma linha sugerindo outra / o circulo ocupando parte / deixado restante / à imaginação de cada um

sede sendo mitigada / com o liquido verde dos pampas / chimarrão tradição que vem de longe / herança dos que primeiros / que nos pampas habitaram

camisa abandonada / corpo pouco atlético a mostra / além da concentração / no fazer intensa / resultado do prazer do fazer / do criar

o calor do dia foi esquecido / absorto em criar / resultado aguardando cores / e novas telas irmãs / para a nova série que surge

Ricardo garopaba Blauth.


segunda-feira, 7 de abril de 2014



 
MEDITANDO

solitário, junto a cancha / de tiro de laço, peão medita / sonha com o dia / em que seu laço / o leve as alturas / que pensa merecer

ou quem sabe / solitário medita / sua má sorte / de seu crioulo / não estar nos seus melhores d...ias/ / ou seu laço não sair de suas mãos / como queria

solitário medita / pensando no quanto já cavalgou / nestas canchas / sempre sonhando / sempre tentando / cobiçado torneio vencer

tiro de laço / com laço de couro cru / trançado a capricho / sempre pronto / para competir / nele pensa / peão na cerca / completamente pilchado / como manda a competição

sim / apesar de simples peão / sonha / medita / ambiciona / quer / alcançar alturas / que seu laço nas aspas da novilho / pode lhe dar

Ricardo garopaba Blauth

domingo, 6 de abril de 2014

 
 
QUE MERDA.......
dormi bem, acordei satisfeito, cheio de planos e este

"com PUTA dor" resolveu implicar comigo.......

vou deixar ele na mão......

FUI




 ricardo

sábado, 5 de abril de 2014

 
FUQUINHA

Quem já teve um fuca, ou fuquinha, ou fusquinha, acredito que lembrará com saudade aqueles momentos passados dirigindo “o poderoso”.

Outro dia vi na Internet um customizado que gostaria estivesse na minha garagem.
Seria uma del...icia dirigi-lo num dia em que precisasse comprar algo que não coubesse não porta mala do carro que tenho.

Já aprendi, entretanto que sonhar muitas vezes é melhor que realizar realmente.

Principalmente pessoas como eu cuja cabeça “ferve” de idéias.........rsrsrsrsrsrsrsr

Já realizei sonhos como, por exemplo, possuir um motor-home e o dia mais feliz foi quando finalmente o vendi........Sei que agora muitos que os possuem vão me “odiar”....rsrsrsrs

Sonhar é bom, mas é inviável realizar todos, pois precisam se transformar em projetos envolvendo “como, porque, quanto, onde...etc

Então nestes casos é sábio ficar no “sonho” sem se estressar e ficara namorando a idéia.

É o que estou fazendo agora que vejo novamente a imagem que um dia guardei numa pasta do computador........que vai voltar para lá acrescida deste texto.....

Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 4 de abril de 2014


 
RODEIO GAÚCHO

Um olhar atento vê nos espectadores expectativas sobre seus favoritos na competição das provas que compõe um rodeio gaúcho.

Regionais, estaduais, nacionais ou internacionais a cena se repete, variando somente o numero de espectadores.

Nos rodeios pequenos abrangendo uma pequena região é fácil registrar cenas como a que realizei no estudo acima, pois o numero de espectadores poucas vezes excede o de participantes. Estes serão então os familiares, os amigos ou moradores da redondeza atraídos pelas festividades.

É interessante ficar por perto e ouvir comentários sobre detalhes que os não iniciados nas nuances das provas desconhece.

Fazendo estes desenhos estudos tento capturar o que estão vendo para depois, na tela final colocar as emoções que acredito os retratados estão sentindo.

Tenho muitos destes estudos esperando um dia serem colocados em obras finais ou quem sabe ficarem pra sempre assim estudos a lápis.

 

Ricardo garopaba  Blauth

quinta-feira, 3 de abril de 2014

 
MENTE VAGABUNDEANDO

deixando mente vagar / ouço sons / que normalmente passam desapercebidos

mente solta / é qual criança curiosa / que pode encontrar / em qualquer algo / a magia / e nela se ocupar
...
mente curiosa e ativa / pode "vagabundear" / e assim agindo / se tornar rica / em novas oportunidades / de viveres prazerosos

amo a liberdade / que pode ser muito relativa / o que também descobri / em oitenta e seis / quando "chutei o balde" / sem estar preparado / para o que queria

vagabundear / pode ser altamente criativo / e sobre isto / muitos já escreveram / desmistificando o ócio / que para muitos / é desperdício

batendo a cabeça / descobri na arte / atividade prazerosa / cheia de desafios / que gosto de enfrentar

hoje sempre ativo / mente vagabundeando livre / vendo / ouvindo / sentindo forças / que de outra forma / se perderiam

natureza me ajuda / com suas belezas e forças / com suas cores e aromas / com suas asas de pássaros / ou borboletas / visitando flores nos jardins / como o da LIA

ricardo garopaba blauth
 

quarta-feira, 2 de abril de 2014

 
PRIMEIRO DE ABRIL
Desde criança conheci este dia como aquele em que se fazia trotes com aquele que distraído não se dava conta da data do calendário.

Brincadeiras inocentes vejo hoje, mas que muitas vezes deixava o “distraído” por “horas”... sozinho, com seus amiguinhos indo brincar longe e ainda depois “gozando” ingenuamente.

A imagem acima mostra um das minhas obras feitas no muro de entrada do Refúgio no alto do Morro de Dois Irmãos, onde morei por muitos anos e tive um enorme e bem montado atelier com capacidade de fazer o que a necessidade de criar pedia.

Primeiro de abril foi a data em que, vinte anos passados decidi ter a atividade artística como forma de me ocupar, afastando assim a ansiedade que sempre me acompanhou.

Incrível constatar que apesar dos anos minha curiosidade e vontades de “fazer” e de criar a partir de desafios só faz aumentar.

Neste momento, estou no jardim da Lia em Nova Petrópolis que sinto orgulho de ter participado na sua concretização e que existe de verdade.

Quando perguntam ou surge oportunidade entre amigos, digo brincando que decidir ser “artista” deve ser coisa de bobo ou de “louco”...........e complemento rindo que penso ser ambos.....rsrsrsrsrsrr

Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 1 de abril de 2014

 
ESCREVER NA LIBERDADE DA NATUREZA

Com a descoberta do prazer de escrever tenho ficado atento onde este ato se torna mais prazeroso.

Como o jardim da Lia, que ajudei a tornar real está concluído, tenho usado muito o novo espaço. Ali reserv...ei um pequeno local para mim. Adaptei uma mesa de mosaicos, criação minha, onde posso pintar, desenhar e também escrever.

As energias que ali estão presentes são quase palpáveis. As letras parecem se juntar para reproduzir em palavras que estou tentando colocar "pra fora".

Neste momento Lia atende visitantes que se entusiasmam com o que vem e sentem. Impressiona a naturalidade com que a maioria externa seus pensamentos a respeito.

Com a decisão de fazer da escrita as catarses necessárias à minha reestruturação, saber que determinado local me é favorável a esta atividade, é natural que eu aprecie usá-lo.

A natureza está presente com força extraordinária aqui no jardim da Lia.

Ao entrar no espaço se fica de frente para o Vale Verde que preenche o cenário com sua exuberância.

Agora mais um acréscimo o jardim recebeu. Construindo uma extensa escadaria e nas curvas de nível fazendo taipas, conseguimos belos espaço planos onde Lia plantou especiarias de condimentos que vai processar.

Todo conjunto do jardim da Lia está agradável, tranqüilo, e me sinto bem quando aqui como agora, a brisa torna tudo vivo.

Neste momento em pleno dia de sol alguns pingos de chuva tornam mais mágico o momento.

ricardo garopaba blauth

segunda-feira, 31 de março de 2014

 
FREUDE MUSIKANTEN

Passeando certa vez por Blumenau numa das festas de chopp que acontece nos outubros a cidade espalhou por suas ruas grupos musicais.

É uma cidade de descendência européia e de lá trouxeram esta prática em época de festa...s. Na Europa é normal bons músicos apresentarem-se normalmente pelas cidades.

Com esferográfica e bloco de desenho a mão sentei num banco a frente dos músicos e deliciado com a alegria que reinava na cidade registrei em traços rápidos o acontecimento.

Agora em Nova Petrópolis vejo que diversos grandes restaurantes preparados para receber excursões contratam estes trios que com trajes típicos da região bávara (Alemanha-Suiça-Austria) alegram o ambiente com suas musicas de bandinha.

Freude Musikanten ( Amigos Musicais - tradução livre) são pessoas que normalmente exercem suas atividades normais de ganha pão diário em diversas profissões e fazem desta atividade musical um “momento criança”, além de faturarem um extra bem-vindo.

Todos deveriam ter seu passatempo numa atividade que despertasse sua criança interior. Com o passar do tempo quem sabe se tornasse a atividade principal.

Ninguém deveria exercer sua atividade somente pensando em dinheiro ou riqueza. Nada substituirá a alegria do fazer prazeroso.




 Ricardo garopaba Blauth

domingo, 30 de março de 2014

 
 
LIVRES


 enquanto natureza

permitir vôos
...
de livres seres

quero ver todos

voando lindos

em jardins

construídos com amor
 
 


 ricardo garopaba blauth

sábado, 29 de março de 2014

 
 
ESTUDO CERAMICO

esmaltar sobre peças industrializadas usando equipamentos de pintura automotiva é prazeroso.

veja acima o resultado com apenas duas cores sobre azulejos 20x20 brancos.

 o desenho fiz diretamente sobre o pó de esmalte que apliquei com aparelho de pintura automotiva.
quando já seco usei apenas com um pedaço um pedaço de madeira apontado como um lápis, para realizar o desenho.

usei o compressor na potencia mínima para ir soprando o pó do esmalte sendo retirado delicadamente logo atrás do traços "a la prima".

finalmente mais um boa demão de esmalte transparente para "selar" o que desenhei.

depois forno para a queima definitiva.


 ricardo garopaba blauth

sexta-feira, 28 de março de 2014

 
PALAVRAS NOVAS


 Aprendi, sapeando no FB, uma nova palavra, que significa algo que há muito acredito e pratico cada dia mais.

Resiliência.

A Joseana a postou no seu face e não resisti. Estou compartilhando uma palavra nova sobre algo sobre o qual já muito escrevi , mas não sabia seu nome.

Resiliência.
...
Quem inventa uma palavra, para algo?

Acredito ser um tanto criativo porém nunca me ocorreu mencionar algo com uma palavra que ainda nunca fora usada.

A maioria das que usamos devem vir de outras linguas e culturas e sobre esta nada pesquizei. Gostei tanto dela que não resisti e estou aqui deixando em outras palavras simplesmente o que senti.

“A resiliência é a capacidade de se recuperar de situações de crise e aprender com ela. É ter a mente lexivel e o pensamento otimista, com metas claras e a certeza de que tudo passa”

Resiliência........gostei........


 Ricardo garopaba Blauth

quinta-feira, 27 de março de 2014

 
SONHOS REALIZADOS
certa vez li, não lembro mais onde, que sonho "adolescentes" não concretizados vão nos "assombrar" numa futura velhice.

já tive vários, sendo que alguns se esvaíram naturalmente.
...
entretanto um deles realizei e me diverti um bocado como criança com brinquedo novo

comprei um buggy velho e o restaurei lenta e completamente.

foi piada na família pois viviam me perguntando “dele”......rsrsrsrsrsrsrsrs

pronto, dei duas ou três "voltinhas" e vi que a diversão tinha sido a restauração........dirigi-lo foi com pilotar uma arvore, tão dura era a direção..............

até hoje quando surge o assunto, poucos, acreditam que me realizei fazendo o que gostava e evitei me aborrecer usando a “arvore” que não me deu prazer em dirigir.

guardo ótimas lembranças do "buggy G"........

Ricardo garopaba Blauth


 OBS.: quando me perguntavam o significado do “G” respondia :..."geriátrico"
Ver mais

quarta-feira, 26 de março de 2014

 
VOANDO LIVRES

Sempre associei liberdade com voar.

 Voar, física ou imaginariamente vejo hoje que já o fazia quando criança sem me dar conta do fato.
Artista procurei criar um desenho que simbolizasse voar. Que o desenho final lembrasse um pássaro foi natural.

 São animais que freqüentam os três elementos. Ar, terra e água.

 Voam, nadam, caminham.

 Rompem distancias nestes três elementos e também foi natural que ao desenhá-los o fizesse como que rompendo o que os possa impedir de ir, de voar, caminhar, nadar.


 Ricardo garopaba Blauth

PROCURANDO PEDRAS


 temos castelos a construir / precisamos de pedras / as que “obstruem” nossos caminhos / já foram usadas

precisamos de mais / até termos suficientes / para os castelos sonhados

pedras / serão sempre / mineral precioso / quando sabiamente usadas




 Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 24 de março de 2014

 
LETRAS “VIAJANDO”

Com a decisão há muito tomada de evitar jornais e noticiosos tenho evitado colocar no meu cérebro noticias que nada acrescentam na minha vida.

Escrever diariamente tem exercitado meu viver numa faixa em que meu “ser” possa crescer.

Na televisão, quando estou no meu apto, dedico espaço a documentários.

Cinema é uma atividade prazerosa desde criança,  quando filmes chegavam a nós anos depois de produzidos, ao contrário da instantaneidade de hoje.

Quando em espera de algo, quando a ociosidade compulsória me comprime como se amarrado estivesse, procuro algo a fazer.

Ler, ou ainda melhor rabiscar, deixar lápis, canetas o que for, seguirem fazendo algo que por fim me “despertam” e me sinto melhor.

Criar letras imaginárias em diversas formas,  me é prazeroso e foi o que fiz certa ocasião, resultando na “obra”....rsrsrsrsrsr........ acima.

Minha “agenda” é um caderno, de preferência sem linhas, dentro de uma bela capa de couro que comprei de um artesão habilidoso.

Claro que já ali interferi desenhando algo mais na capa. Gosto de desenhar sem o compromisso de realizar nada, simplesmente soltando a mão.

Muito coisa interessante já consegui como resultado deste processo, assunto fartamente comentado em livros sobre criatividade e ociosidade.

Tenho sempre um livro a mão, mas nos últimos tempos as palavras surgem com facilidade então as aproveito em textos curtos, conversando comigo mesmo.

 

Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 21 de março de 2014

 
SOLTAR AMARRAS

Muitas e muitas vezes senti-me pesadamente “preso” e sem poder ou querer me afastar, soltava “amarras”. Com lápis ou caneta na mão nas folhas que a frente encontrava deixava a imaginação conduzir momentos seguintes.

Desenh...o acima é resultado de um destes momentos.

Palavras não podiam consolar. Vejo hoje que pássaros que sempre me simbolizavam liberdades rompiam o que estava “escrito” e para uma direção nova voavam........

Entender, racionalizar o trabalho que surgia inconscientemente ajudou na reestruturação e reestruturação que hoje feliz constato está se consolidando cada vez mais.

O tempo feridas cura e felizes seremos ainda mais se tivermos aprendido com tudo que a vida que nos foi concedida.

Navio não se afastará do porto e seguirá viagem se as amarras que o mantém junto ao porto não forem soltas. Pássaros não voarão livres se a insistência os mantém engaiolados. Vida não fluirá se energias interiores não forem reconhecidas e libertas.

Família é um porto onde sempre poderemos buscar apoio, mas viajar, voar, viver é necessidade básica para crescer e usufruir o que recebemos ao nascer. Vida.

Amor é fundamental. Ter alguém a quem amamos e por quem somos amados é graça que nos dá ainda mais fundamento para viver.

Respirando com graça, prazer e alegria.

Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 18 de março de 2014

 
COISAS SIMPLES
A surpresa das forças de coisas simples que nos dão prazer está cada vez mais presente no dia a dia da minha nova vida.

Cada dia, uma pequena atividade realizada com facilidade, mas com alegria e prazer, dentro dos quereres de projetos sonhados e agora em andamento tem uma força extraordinária.

Depois da ida a Garopaba, contatamos que a fonte que construímos junto ao jardim está... em perfeita ordem e recebeu as plantas aquáticas que trouxemos junto.

Resolvemos então comprar os peixes que irão povoar e nadar naquele espaço.
Aqui em Nova Petrópolis, carpas coloridas já chegaram. Ao colocar as onze na agua sentimos a alegria da simplicidade.

Simplicidade. A própria palavra já é prova de si mesmo. Começa com uma afirmação positiva, “sim”.

Porque se insiste tanto em “ter” em detrimento do ”ser” ?

Porque não imitamos crianças na primeira infância que confiantes se entregam à simplicidade ?

Foi o que sentimos e fizemos ao liberar peixinhos no local que preparamos com carinho.

Coisas simples como viver com prazer e alegrias, sabendo nossos quereres.

Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 17 de março de 2014

 
RAINHA E REI DE ESPADAS

Do imaginário surgiram com espadas, estas realezas.

O dia era de verão e com os pés fuçando nas areias da praia da ferrugem deixei a caneta correr preguiçosa sobre folha de um caderno a minha frente.
...
Brincalhona caneta resolveu não seguir regras e colocou os dois na mesma carta.

Fez suas vestimentas com desenhos psicodélicos. Rei e rainha ficaram com olhares estranhos com tanta ousadia alem de não estarem recebendo cores que se julgavam merecedores.

Na medida em que traços apareciam o dono das mãos se divertia e inconscientemente estimulava o imaginário.

Como surge algo assim ? Não sei de onde veio a idéia de cartas imaginárias, sentado em frente ao mar. Como e porque surgem idéias como esta ?

Já faz algum tempo que descobri que relaxando e deixando mente vagar, algo escondido nalgum ponto inconsciente surgirá como quando sonhamos.

Sem nenhum compromisso que não se divertir, surge então a “obra”.

Mais tarde, em momento futuro, procurando assunto, o “escritor” verá a imagem e colocará palavras para narrar o “acontecimento”.
Ricardo garopaba Blauth

sábado, 15 de março de 2014

 
SOLTAR AMARRAS

Muitas e muitas vezes senti-me pesadamente “preso” e sem poder ou querer me afastar, soltava “amarras”. Com lápis ou caneta na mão nas folhas que a frente encontrava deixava a imaginação conduzir momentos seguintes.

Desenh...o acima é resultado de um destes momentos.

Palavras não podiam consolar. Vejo hoje que pássaros que sempre me simbolizavam liberdades rompiam o que estava “escrito” e para uma direção nova voavam........

Entender, racionalizar o trabalho que surgia inconscientemente ajudou na reestruturação e reestruturação que hoje feliz constato está se consolidando cada vez mais.

O tempo feridas cura e felizes seremos ainda mais se tivermos aprendido com tudo que a vida que nos foi concedida.

Navio não se afastará do porto e seguirá viagem se as amarras que o mantém junto ao porto não forem soltas.

Pássaros não voarão livres se a insistência os mantém engaiolados.

Vida não fluirá se energias interiores não forem reconhecidas e libertas.

Família é um porto onde sempre poderemos buscar apoio, mas viajar, voar, viver é necessidade básica para crescer e usufruir o que recebemos ao nascer.

Vida.

Ricardo garopaba Blauth


 

quinta-feira, 13 de março de 2014

 
MOMENTOS DE DIA PERFEITO
Uma idéia interessante levou a iniciar um dia programado. Vivendo momentos dentro do planejado inicialmente, levaram a outros que no final resultou num dia gratificante e prazeroso.

 Quando aceita a idéia que a vida... é feita de momentos, vive-los como se apresentam tornam menos estressantes situações que aparentemente nada produziriam, mas que acabam dando idéias a outras, que completaram o dia com resultados inesperados.

 Estou falando de uma situação vivida “ao vivo” e que me trouxe aqui ao teclado de minhas catarses.
Compartilhar vivencias para mim é gratificante e realizar coisas que surgem inesperadas tornam prazeroso o viver.

 Cada um, se pensar a respeito terá uma história parecida para relatar.

 Curta então momentos como são, mas leve seu fazer, sua atividade, trabalho, profissão em direção daquilo que lhe dá prazer.

 Pense a respeito e experimente. Ficará surpreso com o que a vida nos reserva quando vivida assim. Momento a momento.


 Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 12 de março de 2014

 
ENERGIAS

Energias fluem quando libertas, qual água que surgidas de pequenas fontes se unem a muitas outras e adiante formam o rio que corre em direção ao grande mar.

Nada surge do nada. O que chamamos de energias já existe qual a água me...mencionada acima que surge do acúmulo no interior da terra.

Inicialmente simples e tímidas, percebendo a liberdade se expandem quando não perturbadas pelos “progressos danosos” que hoje cada vez com mais rapidez tomamos.

Energias existem adormecidas dentro de cada um de nós desde que nascemos. É fácil constatar a força da mesma na criança que vai em frente com facilidade e alegria, ou daquela determinada que rompe caminhos alimentada do que dentro de si carrega.

Idade só faz aumentar forças energéticas, mesmo quando tardiamente descobertas.

Tudo que está dentro de nós romperá com mais facilidade se libertar-mos a criança interior que, adormecida muitas vezes, acordará e vibrará com as possibilidades que a frente se apresentam.

As forças da natureza estão hoje cada vez mais visíveis, mostrada pelos novos meios que hoje dispomos.

Felizmente já aumentam o número de empresários que descobrem e potencializam seus negócios, mas necessário é que descubram que “ganharão” ainda mais se não o fizerem simplesmente movidos pelo poder e “dinheiros”.

Fantástico é quando constamos esta energia nos conduzindo e “alimentando”. Saber seu querer e utilizar as experiências das vivencias acumuladas facilitará sua liberação, quando “presas”.

Vibro cada dia mais com o que a minha frente surge no novo caminho que agora sigo. As “pedras” continuam e continuarão a existir, mas já descobri que são ótimas para construir “castelos”.

Até mais..........


 Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 11 de março de 2014


 
ART 3


Este ano o atelier na Vigia em Garopaba, surgido em noventa e cinco não vai encerrar as atividades depois de terminada a temporada de veraneio.

Agora a terceira geração, minha neta Bárbara e seu namorado Mohamed vão mante-lo aberto realizando seus sonhos de permanecer trabalhando com arte.

Trabalhando com arte e ministrando oficinas ficarão morando nas casas e ateliers  até a sua venda,  mantendo assim aberto um sonho.

Vão começar bem, pois estão realizando cinco grandes telas encomendadas com releitura de trabalhos meus.

Bárbara além da sua nova atividade continuará on line com o curso de musicoterapia da EST de São Leopoldo.

Novas etapas se abrem e no mesmo instante que se encerram as que passaram.

Trabalho agora a arte realizando com alegria tudo que me proporciona prazeres.

Hoje meu maior cliente sou eu mesmo me propondo desafios, criando mandalas nos mais diversos suportes.

Escrevendo pequenos textos diários faço catarses dando vazão ao muito que a vida me proporciona. Tiro assim lições de tudo que se me apresenta aprendendo por vivencia e isso compartilhando.

Renovações e reestruturações, quando frutos de um querer tendem a proporcionar bons resultados. ART3 é um exemplo. Vão em frente, enfrentem os desafios.
 

Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 10 de março de 2014

 
 
AMANHÃS
Cheios de esperanças / os amanhãs / que nunca serão completos / se não valorizar-mos / momentos / os reais / que devemos viver / como se nos apresentam

 Amanhã é mais um dia / a viver com alegrias / que estão em nossas expectativas embutidas......
.
Seja bem vinda sempre / quem nos traz vida / quem nos traz alegria / quem nos traz prazer / de sua mão nas nossas


 Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 7 de março de 2014

VIAJANTE

gosto de viajar / norte sul / não importa direções / novas surpresas me fascinam / rotinas aborrecem / longe devem ficar / do inquieto

ansiedade administro / viajando / mais das vezes / mentalmente / mas saídas / mesmo aleatórias / são bem-vindas

descobri a pouco tempo / que meu desejo de viajar / não é para conhecer apenas novos lugares / mas interagir / com pessoas / assimilar cultur...as / trabalhos, profissões, atividades / ao vivo / onde estão acontecendo

sonho e planejo / isto fazer em breve / depois de minha reestruturação / estiver completa / e com tranqüilidade / mínimo de “bagagens” / repleto de “ansiedades” a administrar.......

viajar é ótimo / já descobri há muito / desde que me libertei / de ser empresário / e artista me tornei

hoje repleto de novas idéias / e gentes a conhecer / sonhos mais audazes se tornaram / para um septuagenário/guri / viajante de novos mundos

apoiado por meu novo amor / Lia tem me dado forças, estímulos / para sonhos planejados / realizar e compartilhar


 Ricardo garopaba Blauth

quinta-feira, 6 de março de 2014

 
 
NOVAS OBRAS
No meu cantinho / do jardim da Lia / tela recebe tintas / enquanto chimarrão é compartilhado / assim como o espaço / cheio de energias
agora preparado para receber os clientes / a terapeuta Lia / tem muitas opções / a compartilhar / auxiliando com seus conhecimentos / quem os necessita
sinto a energia do lugar / com tanto carinho criado / e tento fazer telas / com detalhes de mandalas / para somente depois / em bastidores as colocar
panos se dobram / na mesa de mosaicos / tornando mais agradável usufruir o criar / das novas obras / de cores vibrantes no final

 Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 5 de março de 2014

 
SONHO REAL
Há muito sonhado o sonho da Lia é hoje uma realidade.

 Privilegiado, pude partilhar em transformar uma área inaproveitada num local cheio de energias a ser “descoberto” pelas pessoas que poderão usufruir o que a terapeuta Lia pode oferecer.

 As cortinas já colocadas, mais as externas de plástico estão dando total privacidade para que a lia possa trabalhar e atender clientes com qualquer tempo e hora.

 Tudo cheio de uma energia pura e simples.

 Nova Petrópolis, bem pertinho da entrada da cidade tem no Jardim das Essências uma prova do que é possível transformar sonhos em realidade.


 Ricardo garopaba Blauth

terça-feira, 4 de março de 2014

 
NATUREZA PURA
corre independente / segue em frente / sem licenças / sem pressa / determinada e paciente quase sempre / furiosa em alguns momentos

natureza viva / não permite se permite morrer / valoriza proteção, mas dela independe / da...ndo frutos então / a quem o faz

sinto suas energias / quando dela me aproximo / de seus verdes arbóreos / de suas cores florais / de asas colibris / buscando néctares / de seus vôos silenciosos / borboleteando

em tudo está / mesmo em nosso interior / sugerindo reconstruções / apontando trilhas / sugerindo sonhos / caminhadas a percorrer / com companhias amadas


 Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

FÉRIAS EM VIAGEM PROLONGADA

Converso muito o que não é novidade para os que me conhecem. Então quando surgem ouvidos novos para conversas velhas....rsrsrsrsrsr.......aproveito.
Brincadeiras a parte, sou confessadamente um cara que conversa muito. Com qualquer um que queira ouvir, pois já aprendi que “cutucando” aparecem e se ouvem coisas impressionantes seja com quem for. De um intelectual ao an...alfabeto ou do patrão ao peão.
Um dos profissionais que me presta serviços em Garopaba, na parte elétrica quando necessário, é o Sr. Mario Cardoni. Já me socorreu várias vezes de madrugada quando fortes ventos fizeram estragos na rede publica, ou na ocasião que um raio causou danos, felizmente só na caixa de entrada.
De tempos em tempos eu o chamo um serviço e sempre aproveito para conversar.
Contou-me certa vez que seu pai, ex motorista de caminhão era parecido comigo na sua ânsia de saber e compartilhar conhecimentos. É deste seu pai a frase que intitula a crônica. “O saber não ocupa espaço”.
Será verdade? Acreditava que sim, mas lendo e pesquisando melhor li entrevistas com Ivan Izquierdo, especialista de “coisas da memória” que o nosso cérebro é mais inteligente do que pensamos.
Quanto maior for a “bagagem” a armazenar na memória maior será o espaço ocupado. O cérebro então deleta as “não importâncias” e coloca em primeiro lugar aquilo que usamos sempre. O que não é deletado fica em lugar afastado para dar espaço àquilo que realmente nos será útil.
Vale a pena gravar este nome, Ivan Izquierdo e se o assunto lhe for interessante procure saber mais sobre o mesmo. Ler seus estudos apresentados de forma absolutamente inteligíveis para leigos é tremendamente prazeroso.
Memória ocupa espaço sim, mas nosso cérebro é fantástico e se de tempos em tempos lhe dermos tempo pra que organize os conhecimentos adquiridos, estes saberes estarão a nossa disposição quando deles necessitarmos.
O assunto é muito rico e oportunamente voltarei a ele. Já tive que tirar “férias em viagem prolongada”. Não acredita ? Pois qualquer hora conto

RICARDO garopaba BLAUTH

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

TITANIC

Sapeando pelo Sky estava à procura de algo para ver ou rever e lá estava pela enésima vez “Titanic”. Todos já viram ou ouviram a respeito do filme em que foi gasto uma “montanha” fantástica de dinheiro, sendo a metade para promover o mesmo antes do seu lançamento.
Eu próprio tive um funcionário, que descobri depois, foi ao cinema pela primeira vez na vida para ver o tão falado filme.
Est...ava a rever cenas já por demais conhecidas quando me dei conta da realidade que poucos se dão conta. Existe gente para quem poder e dinheiro é uma prisão o que no filme é representada pela atriz principal que ao se dar conta que estava viajando para sua “escravidão” luxuosa e sem sentido tenta se suicidar.
Qual é sua posição a respeito do assunto “dinheiro=felicidade”?
Septuagenário que descobriu há mais de trinta anos o valor de “momentos” sou suspeito para falar no assunto, mas não me canso em conversar ou pensar no assunto.
Os textos que escrevo, desde que em junho de dois mil e sete “descobri” a capacidade de usar o “talento” que desconhecia possuir, usei para tentar desde aquele inicio, falar e/ou compartilhar minhas vivências.
Já são bem mais de mil textos desde então, a grande maioria postada no blog que criei na ocasião. O FB surgiu bem mais tarde. Hoje posto diariamente o mesmo nos dois.
É impressionante quanto se aprende lendo, vendo filmes, escrevendo, ou conversando com pessoas que não tem receio de se expor. Ter alcançado a idade que tenho ajuda e pensar que posso ainda ter muito a viver antes que meu prazo de validade se vença e a morte venha me buscar, torna excitantes as oportunidades que surgem.
Na semana que passou fui muito aos cinemas aqui em Palegre e acreditem ou não algumas vezes ver dois filmes no mesmo dia. A maioria dos que vi falavam, lá no fundo, de algo que acredito. No amor. Quando forem ao cinema ou lerem um livro experimentem enxergar o que aprendi a ver.
O amor que acredito é o amor à vida, a vivê-la integralmente, momento a momento tal como são nossas possibilidades. Nada de sonhar que tendo isto ou aquilo tornará melhor nossa viver.

Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

LIA

Quem ama sabe o que digo sobre sentir saudades da pessoa amada quando dela afastado. Sinto saudades da Lia o tempo todo e querendo escrever a respeito lembrei-me de um texto escrito há muitos anos atrás. Reproduzo-o hoje, pois me faltam palavras para expressar a saudade da pessoa que transformou a minha vida. Te amo Lia.

SAUDADE

“A saudade é uma rosa antiga, sem espinhos, guardada num livro... esquecido num canto da prateleira... assusta quando a vemos, mas enternece quando a sentimos envelhecendo conosco...”

Esta é uma frase de uma pessoa amiga, Juliana Alles de Camargo de Souza, com quem de tempos em tempos, mantenho correspondência.
Juliana, comentava e revisava texto meu para um projeto, quando, durante a correspondência, escreveu a frase acima que reproduzo novamente:
“A saudade é uma rosa antiga, sem espinhos, guardada num livro esquecido num canto da prateleira... assusta quando a vemos, mas enternece quando a sentimos envelhecendo conosco...”

Todos alguma vez já ouviram que Saudade é um conjunto de letras que forma uma palavra da língua portuguesa que dificilmente será traduzida em qualquer outro idioma em uma única palavra ou símbolo. A palavra em si já é poesia pura além de ser um feminino substantivo.

Qualquer um de nós, independente de idade, condição social, financeira ou de estudos, já sentiu Saudades, seja isto o que for. Tendo que descrever o sentimento certamente não saberia expressar corretamente.

Sinto permanentemente Saudades do que já vivi e estranhamente do que espero ainda viver. Quando escrevo tenho a pretensão de compartilhar os momentos que me fizeram chegar até aqui. Compartilhar experiências que possam ajudar a quem quiser ler ou ouvir. Repartir conhecimentos que colecionei neste percurso.

Me assusto, como diz Juliana na sua frase, quando vejo o tempo passando inexoravelmente, mas me enterneço quando vejo a possibilidade de envelhecer compartilhando conhecimentos, colocando luz nas coisas simples possíveis, sendo otimista quanto ao ser humano que quer aprender, que quer exemplos positivos, que anseia em viver num mundo melhor.

Quase septuagenário, sinto a criança interior ansiosa, brincalhona, conversadeira, cheia de idéias, planos, conduzindo meus passos e neste momento movendo meus dedos no teclado.

Aprendi quando jovem, com um velho-criança, médico de sucesso, ainda clinicando na companhia do filho e neto também médicos, uma lição extraordinária que não canso de contar, sobre o valor extraordinário de ser idoso.

Na ocasião eu era propagandista de uma multinacional de medicamentos e visitava mensalmente este médico. Todos gostavam dele.Super inteligente,em suas “tiradas” espirituosas, transformava a visita profissional que lhe fazíamos num evento prazeroso. Numa ocasião fiz-lhe uma pergunta audaciosa. “O senhor com toda sua jovialidade não gostaria de voltar a ter menos idade?”. Ele surpreso olhou-me fixamente , demorou a responder para ver se todos que estavam presentes tinham ouvido a pergunta e estavam atentos para a sua resposta. Perguntou então: “Como é seu nome?”. Respondi Ricardo. “Qual é sua idade?” Creio que eram 22 anos na ocasião. “Pois Ricardo, eu tenho 88 anos e estou aqui conversando com vocês, tendo vivido todos este anos prazerosamente. Você não sabe se vai ter 23.”

Sempre me lembro de suas sábias e alegres palavras. Para não ficar velho fisicamente, só morrendo jovem. Para ficar idoso somente no corpo, basta conservar a criança em nosso interior.

Cultivar “Saudades” ? Sim.
“A saudade é uma rosa antiga, sem espinhos, guardada num livro esquecido num canto da prateleira... assusta quando a vemos, mas enternece quando a sentimos envelhecendo conosco...”
Mas se enterneça, ria, brinque, role no gramado do tempo, faça castelos na areia, construa um balanço bem forte e alto, alcance as nuvens com os pés.

Obrigado Juliana por tua frase inspirada. És a amiga que todos deveríamos ter. És a professora que cada criança quer.

ricardo garopaba blauth

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Saiu do baú..........

ACONCHEGO
Chego sempre à procura de aconchego. Chego sempre pronto para um abraço, um acolhimento que se ajusta ao nosso corpo confortavelmente. Chego sempre pronto para aconchegar e ser aconchegado. Sentir-se ligado..., unido, torna a nossa vida mais prazerosa. Um abraço aconchegante aquece, ampara, dá forças, sejam elas necessárias ou não.

Quem ama e é amado sabe o que estou falando. Quem não sabe o que é o amor é só lembrar-se da sensação aconchegante do toque físico, do prazer de senti-se bem e repartir esta sensação com outrem.

Aconchego. Lembra Mãe, carinho, atenção, cuidados. Aconchego, palavra que por si só parece aquecer, resguardar, proporcionar segurança. Aconchego pressupõe uma casa harmoniosa, bem cuidada, boa de chegar. Aconchegante.

Aconchegado a conversa flui fácil, prazerosa, espontânea. Aconchegado é natural sentir-se assim. Seguro. Desde sempre.


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014


MEU VELHO AMIGO

 

Lembro dele todos os dias. É o meu  mais velho amigo. Nossas conversas mais das vezes são silenciosas,  uma vez que a empatia que nos é comum faz com que saibamos o que o outro está pensando.

Algumas vezes eu converso, falo o que estou planejando, pensando, fazendo, mas o que funciona melhor é ouvi-lo falar em um monólogo filosófico a respeito de viveres, cheios de “apesar de”, cheio de verdades que por vezes hesito em reconhecer.

Septuagenário já com alguns anos além do início desta fase da vida, procuro enxergar a sabedoria que sei que tenho, fruto de vivencias, mas ansiedades fazem o processo se “embaralhar”.

Medito, tiro sonecas preguiçosas sem culpa, tenho ido muito aos cinemas, tento ler, mas ansiedades me atrapalham, então me refugio na Sky em documentários principalmente.

Meu velho amigo, que me conhece como ninguém, sei que está “vendo tudo” com um sorriso maroto pelas “acrobacias” que a mente prepara.

Falar comigo mesmo, como agora faço, utilizando a oportunidade de colocar em palavras catárticas tem me ajudado a “desembaralhar inutilidades”.

A imagem que ilustra a entrada do meu  FB é um exemplo do que penso ser correto. Usufruir prazeres e saciar “fomes de alegrias” lendo os textos inteligentes, intrigantes, irônicos, alegres, realistas, fantasiosos, brincalhões.........como “as palavras manuelezes” de Manoel de Barros.

Sonho e projeto viver cada vez com menos “bagagens”.

Cada novo dia tenho me sentido mais leve, então lembrar deste velho amigo é um presente cheio de alegrias.

Encontre o seu. Ele está mais perto do que você imagina.

 

Ricardo garopaba Blauth

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

 
GÊMEOS #2
Está surgindo uma nova série de telas que resolvi chamar de “gêmeos”, pois serão sempre grandes superfícies de telas já preparadas e em rolo de vários metros. Estes têm um metro e sessenta de largura e dele rasgo um grande pedaço com quase dois metros.

 Pego então esta tela e dobrando no meio fazendo novo corte na sua metade do comprimento e rasgando novamente

 Fico assim com duas grande...s superfícies de um metro e sessenta na altura e mais ou menos de setenta e cinco a noventa de largura.

 Outro dia postei um texto falando como tudo começou. Um dia que precisei de um “tranco” para fazer este caminhão velho “ligar”......rsrsrsrsrsrsrsr

 Na ocasião foi um rolo de tela de algodão preto e hoje um de branco.

 Estou no Jardim da Lia em Nova Petrópolis e vejo já as telas brancas ao sol secando o fundo que acabei de colorir. Dentro em pouco “ataco” os detalhes de mandalas que vão ser a temática desta série.

 Serão altamente coloridas e por ser pintadas em tela sem bastidor posso enrolar sem problema, levando comigo para pintar onde estiver. As primeiras pretas estão no meu apartamento e agora as brancas aqui na Lia.

 Estou realizando um sonho que é trabalhar por prazer e alegria. Hoje num dia de verão primaveril, de sol pleno, temperatura agradável pela brisa que sopra e faz tremular as três bandeiras de borboletas que pintei anteriormente sobre seda branca.

 Lia trabalha nas suas flores renovando canteiros depois que suas flores se transformaram em essências.

 Uma grande fonte que construímos já abriga ninféias e aguarda a bomba que vai fazer circular a água entre as pedras reoxigenando-a. Os peixes ainda não chegaram e dourados que serão irão colorir ainda mais todo ambiente já cheio de energias.

 As telas da nova série terão cores fortes e vívidas. A alegria e prazer que sinto vêm da energia do lugar.




 Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014


GUINADAS

Acredito que muitos começam seu dia de forma ordenada, fixa, metódica.

Tento que os meus sejam assim, mas ansioso, criativo, quando vejo estou a executar outra tarefa que me seduziu e feliz esqueço o plano original do dia que já estava realizando.

Foi assim ante-ontem.

Trabalhava nas telas “gêmeos #2” quando a Lia começou a esvaziar e limpar a fonte que construímos.  Estava com água escura, talvez resultado das muitas folhas que caindo e indo ao fundo da água a escureceu como se tivessem liberado algo.

Imediatamente minha mente procurou uma solução imediata, econômica e com material  que estivesse à mão.

Da idéia apresentada a Lia a começar sua realização foi rápido e logo mais vou terminar de fazer uma cobertura que se insira na realidade das energias do jardim.

Taquaras estruturalmente colocadas vão receber uma cobertura de tela preta anti granizo que vai reter as folhas. Simples como são as coisas que se realiza respeitando as realidades e propósitos.

Vibro quando idéias complementam algo, são factíveis, praticamente sem custo alem do esforço físico. Auxiliado pelo seu João que realiza o esforço bruto do corte das taquaras ao fundo do lote vejo os buracos prontos para fixá-las.  Vai também me auxiliar na  montagem  tudo.

È o plano de hoje. Espero que não surja nada de novo.......rsrsrsrsrsrsrsr. As telas que interrompi a pintura aguardam mais um pouco para serem completadas.

Logo encheremos com água novamente a fonte e logo teremos ali flores aquáticas, ninféias coloridas com suas folhas fazendo proteção aos peixes que lá colocaremos.

Guinada fantástica e simples que vai dar ainda mais vida ao Jardim das Essências.

Ricardo garopaba Blauth

Observação:........já está tudo pronto e hoje tiro fotos e qualquer outra hora posto.........

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

 
 
JARDINS DA LIA
Procurando melhor local para plantar seus condimentos necessário as suas terapias, alem das flores, Lia olhou para a continuação da área que lhe foi cedida e foi pesquisar.

 Viu que apesar de forte declive a área dispunha de... amplas possibilidades. Contratou seu João que fez limpeza bruta e preparou local para recebe degraus de pedra para acesso mais fácil.

 Hoje a área esta limpa e com patamares que permitem plantar e trabalhar as áreas planas com facilidade.

 Os quase sessenta degraus são “fonte de exercícios” que esperam os corrimãos que darão segurança aos “não iniciados”. Estão todos concluídos e já com concreto a sua volta como os primeiros da foto.

 Força de quereres e determinação e trabalho Lia dedica mais de doze horas para seu jardim e local para terapias que já está pronto junto ao jardim das essências no alto em amplo espaço cheio de energias.

 Esforços físicos a parte, as terapias que Lia é profissional habilitada já estão sendo agendadas pelo seu telefone que é (54) 8441 4004.

 Sua visita ao Jardim das Essências da Lia não será em vão. Muito a ver, comentar, energias a sentir...........

 Palavra de quem curtiu cada momento tendo o privilégio de participar da sua criação.
Venha........ou telefone.......você só tem a ganhar.



 Ricardo garopaba Blauth