obrigado por sua visita........ricardo

TODOS OS TEXTOS ANTERIORES ESTÃO EM ORDEM ALFABÉTICA NO LADO DIREITO - É SÓ CLICAR

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015


 


PAU DE FITA

No meu fazer artístico que já anda perto do trinta anos, a Cultura Gaúcha sempre teve papel preponderante.
Nunca me contentei em apenas desenhar,  pintar as realidades que fotografava. Sempre precisei de mais, mais.
Assim era natural que dispondo de espaço, condições e vontades as minhas obras se tornassem grandes, painéis que fazia desmontáveis, já pensando em com transportá-los de um lugar a outro.
O painel acima “Pau de Fita" pode ser visto ao vivo no lobby do Swan Hotel da Cristovão Colombo em Porto Alegre.
Amanhã falo um pouco mais da alegria do fazer criativo e resultados que conseguia. 

ricardo garopaba blauth

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015




MAIS SOBRE A TROPEADA 

Este outro painel, também no Hotel Ritter, que foi pelos seus proprietários Ricardo e Angélica Ritter, adquirido em junho do ano passado no desapego da Aldeia em que todas as obras que lá estavam foram vendidas a “super desapegos preços”, tem cenas da tropeada mencionada na postagem anterior.

Veja a cena central com Nico Fagundes de poncho e Borghetti abrindo a sua “felicidade musical” nas tertúlias noturnas e ainda um cavaleiro em frente a uma igrejinha que assistiu a passagem da tropa..........eta mundo bueno...... 

Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015



 
PAINÉIS “TROPEADA” 

Sempre gostei de desafios. Colocar em  obras de arte um resgate da cultura gaúcha, “A Tropeada” fui um que encarei com imensa alegria e prazer.

Convidado, acompanhei por dias e noites a condução de uma tropa de gado Hereford, ocasião em que fiz novos amigos e adquiri experiências inesquecíveis.

À medida que a tropa avançava conduzida por tradicionalistas minha mente ia formando a imagem do que no final de tudo resultaram nestes painéis hoje no Hotel Ritter em Porto Alegre.

Quem aprecia as tradições, sabe que o transporte de gado “a pé”, foi importante no passado e que hoje é raramente utilizado e por isso sinto-me feliz por ter colocado nestes dois grandes e desmontáveis painéis cenas reais do que vi acontecer.

O Hotel Ritter tem uma grande quantidade de obras minhas, painéis de grande tamanho além de esculturas de esculturas externas em ferro recortadas. 

Ricardo garopaba Blauth

 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015


 
renascendo mais uma vez
encontro prazeres
a muito desejados
que sabia existir
renascimentos são possiveis
em arte tambem os fiz
usando o que descartado fora
nos quais vi oportunidades
de criar
fazer reviver
em outras formas
recriar, renascer
abrir comportas
deixar fluir
sementes prazerosas
de momentos presentes
ricardo

sábado, 24 de janeiro de 2015


 
um novo momento sendo intensamente vivido pede que eu releia o que há muito escrevi e que diz assim.......
 
BOM NÃO É CHEGAR, É “ESTAR INDO”
 

 “...a coisa não está nem na partida nem na chegada, mas na travessia quem disse isto foi Guimarães Rosa em dos seus livros. Se pararmos para pensar chegaremos fatalmente a mesma conclusão. Alias, “porque parar pra pensar, se dá pra pensar andando” disse Tata Fernandes, jovem compositora em uma de suas musicas.

Chega de citar outros e vamos juntoprosearum pouco. Vamos brincar com palavras, pois é isto que prosear é. Vamos, eu você e nossas crianças interiores proseando pra ver o quanto de verdade está inserido na afirmação que deu titulo a esta crônica.

Partir, estar indo, viver, brincar, compartilhar, solucionar prazerosamenteproblemas” a medida que surgem. O risco de não partir, de ficar estagnado é concreto. Isto acontecendo não chegaremos nunca. Amyr Klink sempre diz que o seu maior receio é  não partir. Depois de se lançar, colocar em concreto todo planejamento, “estamos indo”, vivendo, navegando, curtindo a travessia.

Todos nós “estamos indo” pra algum lugar, tentando realizar nossos  sonhos, transformados em projetos. Entretanto não devemos nunca deixar de lado nossa criança interior que sabe que o amanhã não existe. O momento presente é que é real. Amanhã será hoje no momento que chegar.

Procure em suas memórias, coisas suas registradas em seu cérebro. Do que você  se lembra? O que você guardou e é seu? Todos, desde que nascemos estamos caminhando em direção a um fim. Porque se preocupar com ele? Chegará quando for a hora. Enquanto isso, “vamos indo” curtindo a vida que é tão curta.

Nosso cérebro é uma ferramenta fantástica  que nem sempre usamos corretamente. Nossa capacidade de registrar fatos, imagens, sons, aromas, momentos, alegrias, prazeres é infinita. Ele, naturalmente “deleta”, apaga coisas negativas. Ele esta sempre indo e começou sua jornada quando nascemos sem se preocupar com a chegada. Ajude-o liberando sua criança interior, colocando o foco de suas atenções no momento, vivendo intensa e prazerosamente o “estar indo”. Ajuda prosear, otimizar, aperfeiçoar.

Em todas as situações podemos encontrar algo que nos pode auxiliar. Num filme, livro, conversa até mesmo num noticiário de jornalismo sensacionalista. Aprender a ver nas entrelinhas é efeito secundário da pratica de “estar indo” como aqui proseamos. Brinque com palavras, solte a criança dentro de você, sinta a alegria da “viagemsem se preocupar com a chegada, que a partida aconteceu.
 

RICARDO garopaba BLAUTH

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

o momento atual da minha vida pede que poste novamente um texto que ha anos escrevi e postei..........verdade total que mais uma vez compartilho
namastê.....ricardo
 
AMIZADE É UM AMOR
QUE NUNCA MORRE
 
A frase do titulo é de Mario Quintana. Velho poeta que nunca deixou morrer a criança que carregava no seu interior. Via a vida com os olhos sensíveis como são todos aqueles que vêem as coisas de uma maneira que as pessoais “normais” não percebem ou não querem ver.
Leia novamente o titulo.
Amar é uma capacidade que o ser humano dispõe e que podemos ou não exercitar e aumentar. Nossa capacidade de amar é limitada à vontade de cada ser. A amizade é um bem precioso que deve ser cuidada e preservada. Juntar amizade sincera ao nosso poder de amar fará que a frase de Quintana se mostre verdadeira.
Aquele que não consegue modificar a sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive , sem ter consciência de que é dono do seu destino se torna um Deficiente , segundo o mesmo Quintana. Junte a isso outra definição de poeta, que dizia que Louco é quem não procura ser feliz com o que possui.
Se agora ler novamente a frase do Quintana que deu titulo a este texto verá que um dos bens mais preciosos que podemos ter, é a amizade verdadeira. Esta nunca morrerá e lhe dará tudo que precisar sempre que precisar.
Tenho um texto “Amigos verdadeiros” que fala sobre o que julgo todos sabem ou deveriam saber. Os AMIGOS, assim mesmo , com todas as letras maiúsculas, são raros. É destes que Quintana fala quando diz que “a amizade é um amor que nunca morre”.
Tendo AMIGOS, saber que somos donos do nosso destino e soubermos ser felizes com o que temos, estaremos prontos para VIVER A VIDA e não somente existir.
Caminhe , ande, viva e pense, porque dá pra pensar andando, aprendendo com nossos erros, apoiados por AMIGOS VERDADEIROS , vivendo segundo o que nós e não outros acreditam. Sabendo sempre que somos o que temos e nossa felicidade não depende de nada mais.
RICARDO garopaba BLAUTH

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

 
 
 

adoro viajar / partir e interagir / com novas culturas / novas pessoas / novos desafios
 
soltando as amarras / como estou a fazer / todos destinos são possíveis / pois mares ligam a todos / bastando apenas / partir....
 
ricardo garopaba blauth

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015


 


soltando amarras / vou navegar / águas puras e novas / prazer encontrar / em viver amar / novos amigos fazer / compartilhar / viver...........
soltando amarras / liberdade de ir / liberdade de ficar / liberdade de amar / liberdade de saber / liberdade de renovar / votos de usufruir / vida...........
soltando as amarras / vou encontrar / novos momentos / e gritar / como criança arteira / prazeres de viver......
namastê..........
ricardo garopaba blauth

 

domingo, 18 de janeiro de 2015


 
CHAVE EM NOSSAS MÃOS 

Por que o receio de usar uma ferramenta tão simples e útil ? Ela está onde sempre esteve.
 
A capacidade de fazer, falar, ouvir, realizar, sempre esteve conosco. Donde surgem muros, medos, duvidas, que nos impedem de usar livremente o que somos o que sabemos ? 

A “chaveque abre é a mesma que impede que novos muros cresçam. Além disto, põe abaixo os existentes. 

Está onde sempre esteve - em nossas mãos.  Maravilhosa e simples verdade, fácil de ouvir, mas tão complexa de entender. Vivenciar, executar é um dos mistérios da simplicidade. 

Lemos, ouvimos, falamos com nós mesmos, nos exaurimos e cansamos á exaustão erguendo novos muros que chamamos de proteção. Privamos-nos do quemuito sabemos nosprazer, como se inválidos fossemos. 

Orgulhosos temos receio de exigir o que é nosso, individual e privado. Sabendo ser livres, usando a chave que temos o que conquistarmos sobra para compartilhar, repartir. 

O amor, se não começar em nós mesmos será apenas um som sem maior significado. 

O amor por nós mesmo emite sons que será entendido por quem souber ouvir. 

 

RICARDO garopaba BLAUTH

 

 

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015


FELICIDADE EXIGE VALENTIA 

Recebi a  frase acima num email de amigo. As quatro palavras tão fáceis de dizer mas quantas pedras no caminho para fazê-la se tornar realidade. Sabe aquela sensação, de que o que você está lendo foi você que pensou e escreveu ? Foi o que aconteceu quanto li. Por isso reproduzo abaixo o texto. 

A felicidade exige valentia.

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas, não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo..." 

O autor segundo o remetente do email foi Fernando Pessoa, mas como tudo da internet fica a dúvida. Não importa. O que ali está contido posso assinar junto com quem a criou. Guarde as pedras sejam quais forem.  Construa “castelos”. Mas caminhe sempre  em frente,  valente consigo mesmo 

RICARDO garopaba BLAUTH

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015


 
MAGIAS DE GAROPABA 

ferros diversos / madeiras idem / negativos de gesso / de modelagens em barro / depois positivos em  papel machê / alem de pranchões jateados / tubulões de aço
são alguns dos nateriais usados / para criar minhas artes / descobrindo possibilidades / explorando texturas / procurando prazeres do fazer / transformando idéias / em realidades
mente inquieta /sempre  procurando desafios / encontrava soluções / realizava prazeres / metia mão na massa / divertia a criança / que em seu interior mora
agora em Garopaba / curtindo verão / paparicado por familiares / que vêem pai e vô feliz / amando a vida / vivendo momentos novos 

ricardo garopaba blauth

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015


VELHO-GURI

Cercado da minha família comemorei biológicos setenta e cinco anos, mas me sinto, cercado de amor que estou, um eterno guri, que há vinte e oito anos,  descobriu seu quereres e os vive agora, momentos a momentos.
Ontem dia sete de janeiro teve festa aqui em casa, que ficou cheia de risos, abraços e muita energia fluindo naturalmente. Se festejava aniversários de pessoas que amo.
O velho-guri que sinto morar em meu corpo, vibra vendo e sentindo amor presente e chegando mais..........
Para me manter em atividade me tornei artista multimídia e vejo feliz que muitos gostam do que crio.
Para manter a minha criança interior continuar ajudando o biológico ser septuagenário, mantenho pratica diária das catarses de palavras que compartilho.
Obrigado a todos que aprenderam como eu que idade é coisa que a gente próprio decide ter e me ajudam a me manter  ativo, feliz sabendo que já alcancei um patamar de onde posso e quero ainda muito seguir em frente, enfrentando imprevistos, construindo castelos com as pedras que inevitavelmente surgem.
Tanto a amar, tanto a abraçar, tanto a viver......prazerosamente sempre, o que é fundamental.
Velhos podemos ficar, mas crianças chutando nuvens podemos continuar a ser se assim o decidirmos.
Venha, vamos juntos viver...vamos juntos caminhar...vamos juntos....... 

Ricardo garopaba Blauth

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

 
Sobre tela preta / surgem cores / como luzes sendo acesas / para alegrar / iluminar

Borboleta surgindo / do imaginário arteiro / que segura o vidro da cor acrílica / prazerosamente aplicada / sobre ausência de cor / da tela

Natureza sorri / do esforço do artista / que nem perto chega / do que na natureza existe

Resultado final, entretanto / colore ambiente / em que o resultado / fica exposto

Logo outro pano pede / que desenho sobre ele / seja feito / e que alegria do fazer contagie a todos / principalmente / pequeno neto / para pintar como vovô

Matias alegra tudo /  assim como as cores / reanimando prazeres / e tempo do vovô / cercado das mamães / e das filhas todas

Pinturas / praias / filhas / neta e neto / transformam a Vigia / num lugar / ainda mais / iluminado

 

Ricardo garopaba

 
BAGAGENS DESNECESSÁRIAS

Quanto mais vivo mais descubro o valor e o prazer das simplicidades.
Cora Coralina também o fez tardiamente e decidiu compartilhar seus conhecimentos de vida através das palavras doces como as guloseimas  que fazia para vender e deliciar seus clientes.
É surpreendente sentir a leveza do prazer de viver,  amar e ser amado por quem pensa como os mesmos.
Já faz tempo, lá pelos começos de minhas postagens blogueira,  escrevi sobre esta extraordinária mulher/menina.
Hoje com mais anos na cacunda, minha admiração por quem ignora idades físicas e continua sonhando e amando viver, só faz aumentar meus sentimentos. Principalmente amando e sendo amado.......... 

CORA CORALINA

Nos versos acima em que fala da minha cidade ela termina dizendo.....”eu sou a menina feia / da ponte da Lapa / eu sou aninha.”
Nascida em agosto de 1889 em Goiás, recebeu o nome de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretãs. Sempre se considerou uma dona de casa que sabia fazer doces como ninguém. Seus doces cristalizados eram degustados  por muitos  e a Aninha da ponte da Lapa sempre os achou melhores que seus escritos. Era sua fonte de renda depois da morte do marido.
Otimista e corajosa enfrentou os problemas e venceu.  Aos 70 anos reconhecia que seus escritos mereciam ser publicados e compartilhados. Para isto aprendeu datilografia e passou a enviar estes poemas à editores.
Batalhou nisto cinco anos  vendo seu sonho se concretizar no primeiro livro em 1965 com setenta e cinco anos. Escrevia desde menina de 14 anos e seus estudos se resumiram a apenas três primeiras séries  do então primário.
No final da sua vida em abril de 1985 com 96 anos continuava doce de alma e poesia. Uma dos seus escritos acredito sintetizar sua vida........
,,,,”Não sei . . . se a vida é curta ou longa demais para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas." 

RICARDO garopaba BLAUTH

 

 

 

 

domingo, 4 de janeiro de 2015


 
TEATRO NA PRAÇA DE GAROPABA 

É hoje............ na pracinha do centro histórico

As 7 da noite ....viagem teatral.....com gente que ama brincar......que ama arte

Garopaba ....super lotada.....vai encontrar tempo pra ir...se encontrar.....

Venham....vou gostar de ver e rever......... gente como eu ...que ama Garopaba 

Ricardo GAROPABA Blauth

 

sábado, 3 de janeiro de 2015


 
RASTROS DEIXANDO

com cores chapadas / ainda sem luzes / que darão  / na pequena tela / sem bastidor / sobre a mesa descansa / esperando ano começar / pra valer

com pequeno neto Matias / fazendo a alegria do vô / que saudades tem / de alguém especial / que com os seus ficou

ano começa devagar / fogos no meio do mar / dando luzes feéricas / a primeiros momentos / de ano que chega

ceia festiva / sempre presente / alem de abraços / votos esperançosos / de muitos / novos anos

que cores e alegrias / nunca faltem / em novos / e prazerosos momentos / em que viagens planejadas / se realizem / com amor / sempre presente

que no rastro dos fazeres / fiquem rastros coloridos / como na mesa acima

a própria paleta / onde tintas / são misturadas / fica espessa / de prazeres acumulados / como no viver amoroso / de quem sabe / seus quereres

 

ricardo garopaba blauth

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015


 
DIA DOIS

Passou a festa, começa a realidade. Tempo não para, e forças da natureza continuam independente de nossas vontades e caberá a cada um fazer com que a realidade seja aquela que desejamos e brindamos durante a festa. Dia dois está no ar e presente é real.
Estamos no dia seguinte, estamos na realidade do momento.  Nossos votos, desejos, agora têm oportunidade de serem postos em prática.
Sempre haverá  “dias dois”, mas cada momento traz consigo oportunidade de termos o “bônus ou o ônus” o que realmente fizermos.
Dia dois de janeiro de dois mil e quinze.  Para cada um mais um novo dia, mesmo que no outro lado do planeta ele tenha começado doze horas antes.
Cada ser humano está agora na realidade de um novo “dia dois”. Para cada um a oportunidade de recomeços, de continuidades ou de inércia, o dia dois é real.
Quando decidi fazer de cada novo dia a oportunidade de me comunicar comigo mesmo escrevendo um texto catártico, estava iniciando o que hoje para mim é a realidade de mais de sete anos de pratica diária. Sete horas da manhã de dois de janeiro de dois mil e quinze me vejo a frente de um teclado que hoje é real e que em meus inícios eram talvez inimagináveis e que serão certamente totalmente diferentes em futuros, mas que usados com a inteligência e tenacidade serão um trampolim seguro para alcançar as “nuvens desejadas”.
Aqui me lembro de Rubem Alves que dizia,  “sentados em um balanço imaginário, com nossa criança interior, que poderemos eternamente ser, “chutar as nuvens”  e viver prazerosamente.”
Porque não?  Eu agradeço aqui e agora, para mim mesmo e ao cosmos,  a oportunidade de estar hoje cercado de todos minhas três filhas, neta. mais neto,  que ainda dormem neste amanhecer de “dia dois”.
Obrigado cosmos, obrigado, obrigado...........que tenha eu, sempre a sabedoria de ter forças para aceitar inevitáveis, coragem de realizar os possíveis, sabendo a diferença entre um e outro...........

Namastê.........

Ricardo garopaba Blauth

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014


 
NUMA CASA ESPECIAL 

como é bom saber / que obras nossas / iluminam com suas cores e energias / casas especiais
esta borboleta  / foi presente de despedida / para alguém / que por incontáveis anos / foi meu braço direito
hoje em sua casa / já com mais gente a caminho / adquiriu  outras / pois já empresário / foi colecionando obras minhas e da Therezinha
como é bom saber / que mesmo anos passando / continuamos tendo orgulho de sentir / o quanto fomos valiosos / um ao outro
obrigado Leandro / por momentos que compartilhamos juntos / no atelier do Morro / e depois na Aldeia das Artes / até seu encerramento
são coisas assim que lembro sempre / que me fazem querer continuar crescendo / viver prazerosamente / sonhando sempre / novos projetos
todos e cada um / que acredita em sonhos / os encara e os realiza / sabe que amanhãs / quando chegarem / serão bem vindos / de braços abertos
namastê
ricardo garopaba blauth

 

sábado, 27 de dezembro de 2014

CATA FANTASIAS

Qual criança que não se extasiou diante de um cata-vento e quem sabe os mesmos fez sem precisar comprar um de um vendedor caminhando com suas cores e movimentos presos numa vara ao ombro.
Sempre fui fascinado por vendedores ambulantes e muitas obras fiz com a magia de sua atividade.
Esta cena captei em uma tradicional feira semanal de arte de rua em São Paulo, na Praça da república.
O olhar da criança citadina brilhava ao entregar o dinheirinho que recebeu do pai para comprar sua fantasia infantil de morador da capital paulista.
Enquanto a magia da nossa criança interior for mantida viva nosso viver será sempre encontrador de soluções criativas.
Vamos continuar sonhando e buscando maneiras destes transformar em quereres e projetos. 

Ricardo garopaba Blauth

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

 
sol surgiu
com o calor 
das emoções contidas
que querem explodir
se soltar
vibrar
com estar
toda familia junta
na garopaba que amamos
namastê
 
ricardo garopaba blauth

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

BRINCANDO COM IPAD

Companheiro constante, o Ipad está sempre comigo me ajudando a vencer esperas e imprevistos inevitáveis,  e nele este velho/guri por vezes escreve textos, outra esfrega dedão sobre a tela fazendo surgir imagens da garopaba, espontâneas e surreais.
Quando penso o tempo que conheço este paraíso, muitas vezes quase não acredito que tanto já passou desde primeira vez que aqui acampei.
Amor pela cidade desde então fez aqui possuir propriedades uma delas agora a venda, restando outra, com a natureza pura sabendo que será respeitada e valorizada.
Cada vez mais surgem aqui artes as mais diversas com gente procurando unir o que amam fazer com a magia que sensibilidades sentem.
Na Vigia, agora com neta Bárbara administrando a exposição da nossa família de artistas, está esperando vocês........venham ver e conferir ART3...............
Hoje é dia de Natal e ano caminha rápido para se encontrar com o novo.
Façamos o mesmo com nossos viveres......vamos em direção ao novo...vamos em direção a amar.....a vida.....o amor...que não amado, pode se apagar.
Vamos brincar, viver, amar..... 

Ricardo garopaba Blauth